Forte Chaporá

O forte de Chaporá situa-se no concelho de Bradez, no extremo norte, na costa. Situado no alto de um monte rodeado pelas localidades de Siolim e Vagator, foi de grande importância estratégica devido à sua localização costeira que controla igualmente a foz do Rio Chaporá. Está hoje em razoáveis condições e é muito frequentado pelos turistas que vêm aqui repousar e meditar após as festas trance nas praias. Um pequeno caminho leva à sua entrada que se faz pelo lado leste.O forte visto da praia de Vagator
No interior encontram-se também alguns túmulos muçulmanos que se presumem ser pré – portugueses.

História
Este forte tinha sido originalmente construído pelo Adil Shah de Bijapur. Isto explica também a origem do nome (Shahpura – cidade do Shah). A actual construção é dos portugueses, datada de 1617. Com o propósito de albergar a população de Bardez dos ataques norteiros dos Maratas servia também para defender o vasto estuário do rio Chaporá. Com os seus baluartes octagonais e paredes bem sólidas este forte tem semelhanças com o de Aguada ou de Cabo de Rama.
Um dos grandes baluartes, este virado para lesteA história do forte conta com duas capitulações portuguesas. A primeira em 1684, quando o capitão português se rendeu às tropas maratas lideradas por Sambhaji. Com o recuo dos maratas, os portugueses reconstruíram o forte em 1717, com túneis que ligavam o interior do forte à praia. Contudo em 1739 o forte foi mais uma vez capturado pelos maratas e Bardez ocupada por estes. Em 1741, os portugueses voltaram a instalar-se definitivamente no forte e só em 1895 este foi abandonado, devido à sua perda de importância com a adição das Novas Conquistas para o domínio português e a consequente deslocação da fronteira para norte.