Categories
Notícias

Lusofonia celebrou S. Francisco Xavier

Celebrou-se no passado Sábado, um pouco por todo o mundo, o quinto centenário do nascimento de S. Francisco Xavier, actual patrono da Arquidiocese de Goa e Damão. As cerimónias religiosas e de homenagem ao missionário jesuíta no espaço lusófono estenderam-se da Madeira a Macau. Uma cobertura especial do Supergoa.com.

Em Goa, milhares de pessoas assitiram a uma celebração eucarística ao ar livre, em frente à majestosa Basília do Bom Jesus, que alberga os restos mortais do Apóstolo das Índias. Na sua homilia, o Pe. Vasco do Rego, ex-reitor da mesma basília, recordou que o coração do santo ardia por amor a Cristo, recordando as palavras de Simão, companheiro de Xavier: “Francisco costumava orar efusivamente durante as noites, dizendo ‘Dai-me mais e mais (cruzes e sofrimento), Senhor’”.

Basília do Bom Jesus, GoaEstiveram também presentes na ocasião o Arcebispo de Goa e Damão, Filipe Neri Ferrão, bem como o Arcebispo Emérito, Raúl Gonçalves, ambos educados e fluentes na língua portuguesa.

Durante o ofertório foram colocadas nas mãos dos padres celebrantes uma cópia da bíblia, um crucifixo, obras jesuítas, bem como um livro em português dedicado ao santo e pão e vinho. Mais tarde foi visionado um documentário de vinte minutos sobre a vida e obra de Xavier, que em Goa é conhecido como “Goencho Saib” (Rei de Goa).

Castelo Xavier, 500 anos depois

Castelo XavierTambém o local de nascimento de S. Francisco Xavier, a vila de Castelo Xavier, em Navarra, testemunhou a chegada de milhares de fiéis e de uma missa especial marcando o aniversário, realizada na manhã de 7 de Abril. A celebração eucarística foi presidida pelo enviado especial de Bento XVI, Cardeal Antonio María Rouco Varela. Estiveram ainda presentes o Rei e a Rainha de Espanha, o Núncio Apostólico, mais de 35 bispos espanhóis e representantes do Governo, para além do Prepósito Geral dos Jesuítas, Peter-Hans Kolvenbach.

Paróquia lisboeta graciada com Ano Jubilar

Já o Pe. António Colimão, de origem damanense e actual pároco da Paróquia de S. Francisco Xavier, em Lisboa, também esteve presente com um grupo de peregrinos portugueses e relata que “ficaram encantados com paz e serenidade que inspirava no interior do Templo, e, de certeza no interior de cada coroção: junto do braço de S. Francisco Xavier que se encontrava na Basílica, muito perto de nós, bem como o beijo duma relíquia – falange do dedo do pé do Santo!”.

Anuncia igualmente que foi concedida à sua paróquia, pela Santa Sé, o Ano Jubilar de S. Francisco Xavier, de 07 de Abril de 2006 a 07 de Abril de 2007.

Macau recebe visita ilustre

Na China, o navegador espanhol Álvaro de Marichalar efectuou hoje o percurso entre Hong Kong e Macau numa moto de água, em mais uma acção de comemoração do quinto centenário do nascimento do missionário São Francisco Xavier.

Empunhando as bandeiras de Portugal, Espanha e Navarra, as “três bandeiras da vida de Xavier”, Álvaro Marichalar encontrou-se com o cônsul de Portugal em Macau, Pedro Moitinho de Almeida, e com o bispo da diocese local, D. José Lai.

Sublinhando que a ligação entre Hong Kong e Macau, que demorou cerca de hora e meia, “é a uma pré-etapa” da viagem que pretende realizar entre a antiga colónia britânica e Tóquio, no Japão – país onde S. Francisco Xavier também esteve como missionário – o navegador espanhol, que tem 24 anos de navegação sempre na sua moto de água, referiu a importância de estar a efectuar a viagem no ano do quinto centenário do nascimento de Xavier.

“Há dez anos que ando a preparar esta expedição. Já estive no Sri Lanka, onde andou Xavier, e ontem estive na ilha de Sanchuan onde deixei uma pedra do castelo navarro de Xavier e as bandeiras de Portugal, Espanha e Navarra”, disse.

CTT associam-se às comemorações

Os CTT Correios de Portugal assinalaram a passagem dos 500 anos sobre o nascimento de São Francisco Xavier com a emissão de uma série de selos retratando a missão evangélica do padre jesuíta na Ásia.

A emissão é composta por dois selos, com os valores de 45 cêntimos e um euro e retratam a missão evangélica de São Francisco Xavier nas Índias, tal como aparece retratada nos painéis de azulejos do século XVIII da Capela do Hospital de Arroios, em Lisboa. Da emissão faz, também, parte um bloco filatélico baseado numa pintura de Rubens, de 1618, que está patente no Kunsthistorisches Museum, na Áustria.

Os selos, da autoria de José Brandão e Teresa Olazabal Cabral, tiveram obliterações do primeiro dia a 5 de Abril em Lisboa, Porto, Funchal e Ponta Delgada e emissões de 400 mil exemplares, para o selo de 45 cêntimos, e 250 mil exemplares, para o de um euro. O bloco filatélico, com o valor de 2,75 euros, conhecerá uma edição de 77 mil exemplares.

Livro lançado em Goa

A homenagem dos Correios a São Francisco Xavier ficará completa com o lançamento do livro “São Francisco Xavier – Um Homem Para os Demais”, de Miguel Corrêa Monteiro, no dia 26 de Abril. O livro tem uma versão em inglês que foi apresentada em Goa, numa cerimónia realizada no Hotel Cidade de Goa, com a presença do Cônsul-Geral português no território, Pedro Adão.

Cordoaria recebeu “Festa de Goa”

Adicionalmente a estas emissões, os CTT associaram-se às Comemorações Oficiais dos 500 Anos do Nascimento de S. Francisco Xavier emitindo um Carimbo Especial “Cordoaria – 8 de Abril” para obliterar a Emissão Filatélica. Nesse dia realizou-se uma “Festa de Goa” em homenagem a Xavier, com a actuação de músicas e danças tradicionais goesas pelo grupo Ekvât.

O Doutor Filipe Monteiro apresentou uma palestra sobre a vida e obra do santo, num evento que foi co-organizado pelo Comissariado Geral das Comemorações e pela Casa de Goa, e que contou com a presença do Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros.

A exposição “São Francisco Xavier – A sua vida e o seu tempo” encontra-se patente até dia 15 de Abril, em Lisboa, na Cordoaria Nacional.

O Apóstolo do Oriente

S. Francisco Xavier nasceu a 7 de Abril de 1506, no castelo de Javier, Navarra, Espanha. Ao contrário dos irmãos, que seguiram a carreira das armas, preferiu as letras eclesiásticas. Aos 16 anos recebeu a prima tonsura e, em 1525, rumou a Paris para frequentar a sua afamada universidade.

Aí relaciona-se com Inácio de Loyola, tendo feito com ele os “Exercícios Espirituais” e vindo a fazer parte do grupo de amigos do seu novo mentor, donde sairia a futura Companhia de Jesus, fundada oficialmente em 1540. Em 1537 é ordenado padre. Três anos depois chega à corte de D. João III que pedira ao Sumo Pontífice missionários para pregarem nas terras do seu reino espalhadas pelo mundo.

Em 1541 parte para Goa, onde se dedica abnegadamente à defesa e propagação da fé cristã. Nomeado Superior da Missão do Oriente, que ia do cabo da Boa Esperança à China, após converter os reis de Coulão e Travancor, parte, em 1545, para as Molucas, onde prossegue com afinco a sua missionação. Em 1549 ruma ao Japão, chegando a Cagoxima em Agosto. Nas terras nipónicas lança as bases de várias comunidades cristãs, que haveriam de perdurar por cem anos.

Regressado a Goa, tem como próximo objectivo a evangelização da China. Contudo, não chega a embarcar com a armada que o deveria deixar na ilha de Sanchoão, perto de Macau, e de onde o superior jesuíta esperava alcançar o litoral chinês. No entanto, empreende a expedição noutra nau, desembarcando em Sanchoão, em 1552.

Mas o pregador não irá conseguir concretizar o seu grande objectivo. Adoece gravemente em Novembro e, no maior desamparo, apenas assistido pelo seu criado, morre em 3 de Dezembro. Em 1619, foi beatificado por Paulo V e, três anos depois, canonizado por Gregório XV.

O seu corpo foi transladado para Goa, em 1654, onde é, desde então, objecto de grande culto. As suas relíquias estão na Basílica do Bom Jesus de Velha Goa e são expostas de dez em dez anos para veneração dos fiéis do Apóstolo das Índias.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *